PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E PREVALÊNCIA DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PESSOAS COM HANSENÍASE

Autores

  • Tatiana Borges DIAS Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Rosângela Fátima da COSTA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec https://orcid.org/0000-0002-7762-9929

DOI:

https://doi.org/10.24980/ucsb.v4i7.4219

Palavras-chave:

Hanseníase, Ansiedade, Depressão

Resumo

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa crônica, transmitida pelo Mycobacterium leprae, parasita intracelular que acomete células cutâneas e células nervosas periféricas. A enfermidade tem cura, porém se tratada tardiamente pode evoluir para deformidades físicas permanentes, repercutindo nos aspectos físicos, psicológicos, econômicos e sociais da vida do indivíduo. Além disso, o estigma se constitui como fator desencadeante para o surgimento de transtornos mentais, como ansiedade e depressão. Diante disso, o presente estudo teve por objetivo investigar a prevalência dos indicadores de ansiedade e depressão em pessoas com hanseníase atendidas pela rede pública de saúde de um município do noroeste paulista, bem como caracterizar a população pesquisada em suas condições sociodemográficas. Trata-se de um estudo quantitativo e descritivo, realizado com 21 indivíduos que estão ou que estiveram em tratamento contra a hanseníase num período de dois anos. Foram utilizados Inventários Beck de Depressão (BDI) a fim de avaliar graus de depressão, Inventários Beck de Ansiedade (BAI) para verificar sintomas ansiosos e Questionários Sociodemográficos para levantar as características dos entrevistados. Os resultados revelaram que 43% dos participantes manifestaram níveis leves nos protocolos BAI, enquanto nos protocolos BDI foram demonstrados níveis mínimos por 48%. Quanto ao perfil sociodemográfico, observou-se que a maior parte dos pesquisados são homens (71%), com 60 anos ou mais (52%), casados (71%), brancos (71%), católicos (57%), com ensino fundamental incompleto (48%), assalariados (43%), com renda familiar entre 1 e 3 salários mínimos (71%).  Logo, concluiu-se que os participantes, em sua maioria, apresentaram níveis leves para ansiedade e mínimos para depressão.

 

SOCIO-DEMOGRAPHIC PROFILE AND THE PREVALENCE OF ANXIETY AND DEPRESSION IN PEOPLE WITH HANSEN’S DISEASE

 

ABSTRACT

Hansen’s disease is a chronic infectious and contagious disease, transmitted by Mycobacterium leprae, an intracellular parasite that attacks the skin and peripheral nerve cells. Such disease is curable, however, when belatedly treated it may evolve to permanent physical deformities, affecting the physical, psychological, economic, and social factors of the subject’s life. Moreover, a stigma is constituted as a triggering factor for mental disorders occurrences, such as anxiety and depression. Accordingly, the present paper aims at investigating the prevalence of anxiety and depression markers in people with Hansen’s disease assisted by the public unit care in a municipality in northwest of São Paulo State, as well as describing the researched population in their socio-demographic conditions. It is a quantitative descriptive study, which was undertaken with 21 subjects who are/were under treatment for Hansen’s disease for a period of two years. Beck Depression Inventory (BDI) was used in order to evaluate the depression levels, Beck Anxiety Inventory (BAI) was used to verify anxiety symptoms and a Socio-demographic Questionnaire for collecting data about the characteristics of the interviewees.  The results revealed that 43% of the participants presented mild levels for BAI protocols, whereas for BDI mild levels were found for 48% of them. Regarding socio-demographic profile, it was observed that most of the researched subjects were male (71%), 60-year-old or more (52%), married (71%), white (71%), catholic (57%), incomplete elementary school (48%), employed (43%), monthly family income between 1 and 3 minimum wages (71%). Thus, we conclude that the participants, in their majority, present mild levels of anxiety and depression.

 

Descriptors: Hansen’s disease. Anxiety. Depression.

Biografia do Autor

Rosângela Fátima da COSTA, Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec

Possui graduação em Psicologia pela Universidade de Uberaba (1984), graduação em Licenciatura Plena em Psicologia pela Universidade de Uberaba (1984), graduação em Pedagogia com Administração Escolar de 1º e 2º G. pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Jales (1986) e mestrado em Educação área de Concentração Ensino Superior pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2004). Atualmente psicóloga da Prefeitura Municipal de Santa Fé do Sul, professora titular do Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec. Tem experiência na área de Psicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: terapia cognitivo-comportamental, intervenção escolar, práticas investigativas, TCC, neuropsicologia, dificuldades. aprendizagem, psicomotricidade.

Referências

- Freitas Neto AJO. Cuidados da depressão em pacientes com hanseníase [manual na internet]. São Luís: UNICEUMA, 2019. [acesso em: 06 mar. 2021] Disponível em: https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=&ved=2ahUKEwjE-8Gsv4rwAhU-HbkGHfYWCZoQFjAAegQIAxAD&url=http%3A%2F%2Fwww.ceuma.br%2Fmestradogpss%2Fwp-content%2Fuploads%2F2018%2F09%2FFinal-Manual-Antonio-Neto.pdf&usg=AOvVaw2fkvYYAAcUzfDdpxM7YyzQ

- Eidt LM. Breve história da hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Saude soc. [Internet]. 2004 Aug [acesso em: 05 mar. 2019];13(2):76-88. Disponíevl em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000200008

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Epidemiológica. Boletim epidemiológico: Caracterização da situação epidemiológica da hanseníase e diferenças por sexo, Brasil, 2012-2016 [boletim na internet] 2018 [acesso em: 16 mar. 2019]; 49(4):1-10. Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/31/2018-004-Hanseniase-publicacao.pdf

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o controle da hanseníase. Brasília, 2002. [acesso em: 04 mar. 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_de_hanseniase.pdf

- Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD [homepage na internet] Hanseníase. [acesso em: 05 mar. 2019]. Disponível em: http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/hanseniase/9/

– Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2017 [acesso em: 04 mar. 2019]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/Guia-Pratico-de-Hanseniase-WEB.pdf

- Junqueira AV. Aspectos psicopatológicos na hanseníase e nas reações hansênicas. 2006. 77 f. Dissertação (Mestrado em Medicina) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2006. Disponível em: <https://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tde/1789/1/AlessandraVidal-2006.pdf>. Acesso em: 05 mar. 2019.

- Eidt LM. O mundo da vida do ser hanseniano: sentimentos e vivências. Porto Alegre. Tese [Mestrado em Educação] - Faculdade de Educação da PUCRS; 2000. 252p. [acesso em: 15 mar. 2019] Disponível em: http://hansen.bvs.ilsl.br/textoc/teses/EIDT_LETICIA/PDF/EIDT_LETICIA.pdf

- Cruz Gregório IC, Piccinin JMM, Palasson RR, Arantes SL, Mudanças ocorridas no portador de hanseníase após o diagnóstico. Saúde Coletiva [Internet]. 2008 [acesso em: 14 mar. 2019];5(23):147-151. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=84202305

– Garcia, José Ricardo Lopes; Macário, Denílrea Pérola Paoli; Ruiz, Renata Bilion; Siqueira, Lygia Maria de Souza; Cara, Margô Ribeiro Garcia. In. Opromolla, Diltor Vladimir Araújo; Baccarelli, Rosemari. Prevenção de incapacidades e reabilitação em hanseníase. Bauru, Instituto Lauro de Souza Lima, 2003. p.25-30. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/brasil/resource/pt/han-18522

- Baialardi KS. O estigma da hanseníase: relato de experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansen Int. [Internet] 2007 [acesso em: 05 mar. 2019];32(1):27-36. Disponível em: http://www.ilsl.br/revista/imageBank/301-862-1-PB.pdf

- Corrêa BJ, Marciano LHSC, Nardi ST, Marques T, Assis TF, Prado RBR. Associação entre sintomas depressivos, trabalho e grau de incapacidade na hanseníase. Acta Fisiatr. [Internet]. 2014 [acesso em: 16 mar. 2019];21(1):1-5. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/103817

- American Psychiatry Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders - DSM-5. 5. ed. Washington: American Psychiatric Association, 2014.

- Gaudenci EM. Qualidade de vida, depressão e incapacidade física de pessoas com hanseníase atendidas em uma Unidade de Referência. 2015. 102 f. [acesso em: 15 mar. 2019] Dissertação (Mestrado em Atenção à Saúde) – Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba (MG), 2015. Disponível em: http://bdtd.uftm.edu.br/bitstream/tede/278/5/Dissert%20Eliana%20M%20Gaudenci.pdf.

- Cunha JA. Manual da versão em português das escalas Beck. Casa do Psicólogo, 2001.

– Gaudenci EM, Nardelli GG, Almeida Neto OP, Malaquias BSS Carvalho BT, Pedrosa LAK. Qualidade de Vida, Sintomas Depressivos e Incapacidade Física de Pacientes com Hanseníase. Hansen Int. [Internet]. 2015 [acesso em: 29 set. 2019];40(2):48-58. Disponível em: http://hi.ilsl.br/detalhe_artigo.php?id=12363#

- Santos RS, Bragança GMG, Santos Filho CAM. Avaliação da qualidade de vida e frequência de ansiedade e depressão em portadores de hanseníase. Brazilian Journal of Health Review [Internet]. 2020 [acesso em: 07 mar. 2021];3(2):2932-2943. Disponível em: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-134

- Dolenz MFA, Guerra Silva NMM, Melo SC.Castanho S, Tashima Cm, Toledo Neto Jl, Bellucci Júnior Ja. Avaliação da qualidade de vida dos pacientes durante o tratamento e Hanseníase. Rev. Odontologia (ATO) [Internet] abr. 2014 [acesso em: 01 out. 2019];14(4):238-256. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Natalia_Guerra-Silva/publication/281108669_AVALIACAO_DA_QUALIDADE_DE_VIDA_DOS_PACIENTES_DURANTE_O_TRATAMENTO_DE_HANSENIASE/links/55d5e35f08aed6a199a2c7da/AVALIACAO-DA-QUALIDADE-DE-VIDA-DOS-PACIENTES-DURANTE-O-TRATAMENTO-DE-HANSENIASE.pdf

- Nunes JM, Oliveira EM, Vieira NFC. Ter hanseníase: percepções de pessoas em tratamento. Rev. Rene [Internet] 2008 [acesso em: 28 set. 2019];9(4):99-104. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/5242/3867

- Finotti RdeFC, Andrade ACdeS, Souza DPOde. Transtornos mentais comuns e fatores associados entre pessoas com hanseníase: análise transversal em Cuiabá, 2018. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2020 [acesso em: 07 mar. 2021];29(4):e2019279. Disponível em: https://doi.org/10.5123/s1679-49742020000400006

Downloads

Publicado

2021-04-19

Como Citar

DIAS, T. B. ., & COSTA, R. F. da. (2021). PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E PREVALÊNCIA DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM PESSOAS COM HANSENÍASE. UNIFUNEC CIÊNCIAS DA SAÚDE E BIOLÓGICAS, 4(7), 1–16. https://doi.org/10.24980/ucsb.v4i7.4219

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)