ANÁLISE MICROBIOLÓGICA EM TELEFONES CELULARES DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DA SAÚDE

Autores

  • Lorena do Vale Marques PEREIRA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Victória Fávaro ROCHA Centro Universitário de Santa Fé do Sul - Unifunec
  • Andreia Estela Moreira SOUZA Centro Universitário de Santa Fé do Sul, SP - Unifunec https://orcid.org/0000-0002-4741-6797

DOI:

https://doi.org/10.24980/ucsb.v4i7.4832

Palavras-chave:

Contaminação, Microrganismos, Celulares, Universitários, Higienização

Resumo

O Brasil é o quinto maior mercado consumidor de aparelhos celulares no mundo. A manipulação intensa do aparelho pode torná-lo veículo para contaminação microbiológica cruzada por contato com pele e secreções e microrganismos do ambiente. O objetivo deste trabalho foi verificar a contaminação por microrganismos nos aparelhos celulares de estudantes universitários da área da saúde. Foram selecionados, aleatoriamente, graduandos dos cursos de medicina de um centro universitário brasileiro. As amostras foram coletadas com swabs estéreis, inoculadas em meios de cultura seletivos e cultivadas em estufa bacteriana a 37ºC por 48 a 72 horas. A identificação dos microrganismos foi realizada por coloração de Gram e observação ao microscópio óptico. Um questionário semiestruturado foi aplicado para verificar os ambientes de uso, a frequência e a metodologia utilizada para higienização. A análise dos resultados mostrou que 93% dos aparelhos analisados apresentaram contaminação, sendo que o número de unidades formadoras de colônias (UFC) variou de apenas 3 até 80 UFC. A coloração de gram evidenciou a presença de Staphylococcus aureus e bacilos gram negativos. Observaram-se colônias de fungos, sendo identificado Rhizopus spp e outros fungos filamentosos. Em relação às repostas obtidas, 100% dos estudantes analisados utilizam o celular diariamente, 80% emprestam o aparelho para uso, 66,7% utilizam aparelhos de outros colegas e 73,3% higienizam o aparelho, sendo que 40% o fazem uma vez por semana e o restante apenas ocasionalmente. Conclui-se que o celular pode ser considerado um fômite para transmissão cruzada de microrganismos de importância médica relacionados a infecções associadas à assistência à saúde.

 

MICROBIOLOGICAL ANALYSIS OF HEALTHCARE UNDERGRADUATE STUDENTS' CELL PHONES

 

ABSTRACT

Brazil is the fifth largest cell phone consumer market in the world. The extensive handling of the device may turn it into a vehicle for microbiological cross-contamination by contact with skin, body fluids, and microorganisms from the environment. The main objective of this study was to determine the contamination by microorganisms in the healthcare undergraduate students’ cell phones. We randomly selected undergraduate medical students from a Brazilian university center. The samples were collected with sterile swabs, inoculated in selective culture media, and cultured in a bacterial oven at 37ºC for 48 to 72 hours. The identification of microorganisms was performed by Gram staining and observation under an optical microscope. A semi-structured questionnaire was applied to verify the environments of use, the frequency and methodology used for sanitation. The analysis of the results showed that 93% of the analyzed devices were contaminated, and the number of colonies forming units (CFU) ranged from only 3 to 80 CFU. Gram staining revealed the presence of Staphylococcus aureus and gram-negative bacilli. Fungal colonies were observed, and Rhizopus spp. and other filamentous fungi were identified. Concerning the answers obtained, 100% of the analyzed students use the cell phone on a daily basis, 80% borrow it for use, 66.7% use devices from other classmates, and 73.3% sanitize the device, with 40% performing this task once a week while the others do it only occasionally. We concluded that the cell phone may be considered a fomite for cross-transmission of medically important microorganisms related to healthcare-associated infections.

 

Keywords: Contamination. Microorganisms. Cell phones. Undergraduate students. Sanitization.

Biografia do Autor

Andreia Estela Moreira SOUZA, Centro Universitário de Santa Fé do Sul, SP - Unifunec

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, mestrado em Ciências Biológicas, área de concentração Genética pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e doutorado em Genética pelo Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas - IBILCE/UNESP. Atualmente é professora universitária titular das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul (FUNEC), ministrando as disciplinas de biologia celular, genética e microbiologia nos cursos de Ciências Biológicas, Odontologia, Nutrição, Fisioterapia, Agronomia e Educação Fí­sica. É membro do comitê de ética em Pesquisa com seres Humanos, coordenadora do projeto PIBID/Ciências desde 2012 e membro do comitê cientí­fico da Revista da FUNEC. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética Molecular e de Microrganismos, atuando principalmente nos seguintes temas: análise e detecção de contaminação microbiana, genética e fitovirologia. Além disso, desenvolve projetos de formação de educadores e na área de práticas e metodologias de ensino.

Referências

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE [homepage na internet]. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua. Diretoria de Pesquisas, p.14, 2016. [acesso em: 29/08/2019] Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101543.pdf.

Teixeira FN, Silva CVda. Análise Microbiológica em Telefones Celulares. Revista Paciência [Internet]. 2017 [acessado em: 25/03/2018]; 11(3):15-24. Disponível em: http://www.fap.com.br/fap-ciencia/11_edicao/003.pdf.

Anjos PPdos, Cavalcante A, Queiroz KB, Bernadino ACSdeS. Espécies bacterianas isoladas a partir de telefones celulares uma revisão de literatura. In: Anais da Mostra de Biomedicina da Unicatólica. 2017;2(1). Disponível em: http://hdl.handle.net/123456789/724

Baldo A, Freitas AFM, Santos RCC, Souza HCde. Contaminação Microbiana de Telefones Celulares da Comunidade Acadêmica de Instituição de Ensino Superior de Araguari (MG). Revista Master [Internet]; jan./jun. 2016 [acessado em: 25/11/2021]; 1(1):1-9. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.5935/2447-8539.20160005.

Rodrigues JS, Azevedo FU, França RF. Rastreamento Microbiológico em aparelhos celulares e seus respectivos danos à saúde. Revista Saúde em Foco [Internet] 2019 [acessado em: 25/11/2021]; 11:252-263. Disponível em: https://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2019/02/020_RASTREAMENTO-MICROBIOLOGICO-EM-APARELHOS-CELULARES-E-SEUS-RESPECTIVOS-DANOS-%C3%80-SA%C3%9ADE.pdf

Cunha CBC, Moraes FR, Monteiro VS, Feitosa FGMA, Silva ITC. Avaliação microbiológica dos aparelhos celulares de profissionais do Bloco Cirúrgico em um Hospital beneficente. Rev Epidemiol Control Infect [Internet]. 4º de julho de 2016 [acessado em: 25/11/2021];6(3):120-4. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.17058/reci.v6i3.6717.

Cassettari VC, Strabelli T, Medeiros EAS. Staphylococcus aureus bacteremia: what is the impact of oxacillin resistance on mortality?. Brazilian Journal of Infectious Diseases [Internet]. 2005 [acessado em: 25/11/2021]; 9(1):70-76. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-86702005000100012.

Koneman E. et al. Diagnóstico microbiológico. 5ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. cap.11, parte 1.

Santos ALdos, Santos DO, Freitas CCde, Ferreira BLA, Afonso IF, Rodrigues CR, Castro HC. Staphylococcus aureus: visitando uma cepa de importância hospitalar. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial [Internet]. 2007 [acesso em: 13/08/2021]; 43(6):413-423. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.1590/S1676-24442007000600005.

Valadão FdeC, Mikalouski U. Análise microbiológica em unidades de saúde: Staphylococcus aureus. Revista Terra & Cultura: Cadernos de Ensino e Pesquisa [Internet] 2018 [acesso em: 20/11/2021]; 34(66):36-46. Disponível em: http://periodicos.unifil.br/index.php/Revistateste/article/view/320.

Lima MFP, Borges MA, Parente RS, Victória Junior RC, Oliveira MEde. Staphylococcus Aureus e as Infecções Hospitalares – Revisão de Literatura. Revista Uningá Review [Internet] jan./mar. 2015 [acesso em: 20/11/2021]; 21(1):32-39. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1616.

Torres-Gonzalez P, Cervera-Hernandez ME, Niembro-Ortega MD, Leal-Vega F, Cruz-Hervert LP, García-García L, et al. Factors Associated to Prevalence and Incidence of Carbapenem-Resistant Enterobacteriaceae Fecal Carriage: A Cohort Study in a Mexican Tertiary Care Hospital. PLoS ONE 10(10): e0139883. Disponiível em: DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0139883.

Tortora GJ, Funke BR, Case CL. Microbiologia. 12. ed. Porto Alegre-RS: Artmed, 2017.

Sousa DL, Morais FRdeS, Paz FAdoN, Silva LLda. Análise microbiológica de aparelhos celulares de acadêmicos de fisioterapia de uma faculdade privada de Teresina (PI). Rev Cienc Saude [Internet]. 23º de maio de 2018;8(2):3-8. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.21876/rcsfmit.v8i2.753.

Oliveira MAF, Vital DPAL. Análise de celulares como fator de risco para infecções. Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde, ed. Realize, 2016. Disponível em: https://editorarealize.com.br/editora/anais/conbracis/2016/TRABALHO_EV055_MD4_SA11_ID1956_30042016162514.pdf

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

PEREIRA, L. do V. M. ., ROCHA, V. F. ., & SOUZA, A. E. M. (2021). ANÁLISE MICROBIOLÓGICA EM TELEFONES CELULARES DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DA SAÚDE. UNIFUNEC CIÊNCIAS DA SAÚDE E BIOLÓGICAS, 4(7). https://doi.org/10.24980/ucsb.v4i7.4832