ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A INTELIGÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO DEFENSIVA

Autores

  • Adriel Santos SANTANA
  • Pedro César Sousa OLIVEIRA Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.24980/ucm.v11i13.5387

Palavras-chave:

Investigação defensiva, Atividade de inteligência

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo realizar uma análise de comparação entre o instituto da investigação defensiva e a atividade de inteligência, de modo que possa ser verificada a existência (ou não) de pontos de interseção entre ambas. Para isso, de modo indutivo, analisa-se a atividade de inteligência por meio de quatro marcos legislativos (Lei n° 9883/99, Decreto n° 4.376/2002, Decreto n° 8.793/2016 e Decreto de 15 de dezembro de 2017) e escritos da literatura especializada pátria sobre o tema. Do lado da investigação defensiva, analisam-se os documentos legislativos das normas que pretendem regulamentar a atividade e os debates sobre a aprovação do instituto. Os resultados apresentados demonstraram que: (i) a atividade de inteligência tem incidência em diferentes âmbitos da atividade estatal, estando sujeita ao impacto de distintas normas reguladoras e situações particulares; (jj) a investigação defensiva é regulamentada pelo Provimento n° 188/2018 da Ordem dos Advogados do Brasil, visa ao incentivo à produção privada de provas pela defesa de um cliente e não possui normal legal que a respalde, pois seus debates estão em curso no Congresso Nacional; (iii) ambos os institutos (um embrionário e outro já consolidado) podem se encontrar em sede de lide processual e, de modo mais significativo, são, conjuntamente, pontos cruciais para o desenvolvimento do ecossistema investigativo nacional. Sendo assim, conclui-se que a atividade de inteligência e a investigação defensiva, embora em momentos distintos de desenvolvimento, podem se beneficiar mutuamente e contribuírem para o avanço da atividade de investigação.

 

COMPARATIVE ANALYSIS OF INTELLIGENCE AND DEFENSE INVESTIGATIVE SERVICE

 

ABSTRACT

The purpose of this paper is to perform a comparative analysis of the defense investigative service and the intelligence service, so that the existence (or not) of points of intersection between both of them may be verified. Therefore, the intelligence activity is inductively analyzed through four legislative frameworks (Law No. 9883/99, Decree No. 4.376/2002, Decree No. 8.793/2016 and Decree of December 15, 2017) and writings from the Brazilian specialized literature on the subject. On the defensive research part, the legislative documents of the norms that intend to regulate the activity and the debates about the approval of the institute are analyzed. The results presented revealed that: (i) intelligence services have an impact on different areas of state activity, and are submitted to the impact of different regulatory norms and circumstances; (jj) the defensive investigation is regulated by Provision n° 188/2018 of the Brazilian Bar Association, aims at encouraging the private production of evidence by a client's defense and has no legal standard to support it, as its debates are being held in the National Congress; (iii) both institutes (one embryonic and the other already consolidated) may be found in procedural litigation and, more significantly, are, altogether, crucial issues for the development of the national investigative ecosystem. Hence, it is concluded that intelligence service and defensive investigation, although at different stages of development, may mutually benefit each other and contribute to the advancement of investigative service.

 

Keywords: Defense Investigative Service. Intelligence Service.

Biografia do Autor

Adriel Santos SANTANA

Graduado em Direito pela Universidade Estadual de Santa Cruz. É coordenador de Diligências na consultoria ICTS. Carreira profissional como advogado nos âmbitos consumerista, civil, empresarial e administrativo.

Pedro César Sousa OLIVEIRA, Universidade Federal de Uberlândia

Mestrando em Direito pela Universidade Federal de Uberlândia. Analista de Diligências pela ICTS. Desenvolve pesquisas na área de Teorias de Justiça, Direitos Fundamentais e Políticas Públicas. Possui livros e artigos publicados sobre os temas.

Referências

ALVES, Paulo M. M. R. O impacto de big data na atividade de inteligência. Revista Brasileira de Inteligência, Brasília, 2018, n. 13, p. 25-44, dez. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/abin/pt-br/centrais-de-conteudo/revista-brasileira-de-inteligencia/copy_of_RBI13.pdf. Acesso em: 25 set. 2021.

ANGELO, Tiago. TRF-3 autoriza que investigação defensiva colha provas em empresas privadas. Consultor Jurídico, 4 mai. 2021. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2021-mai-04/trf-autoriza-investigacao-defensiva-envolvendo-lula. Acesso em: 25 set. 2021.

BNDES. O BNDES e a investigação independente da JBS, 2019. Disponível em: https://aberto.bndes.gov.br/aberto/caso/investigacao/. Acesso em: 30 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.432, de 11 de abril de 2017. Dispõe sobre o exercício da profissão de detetive particular. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 abr. de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13432.htm. Acesso em: 30 ago. 2021.

BRASIL. Decreto nº 4.376, de 13 de setembro de 2002. Dispõe sobre a organização e

o funcionamento do Sistema Brasileiro de Inteligência, instituído pela Lei nº 9.883, de 7

de dezembro de 1999, e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília,

DF, 16 set. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4376compilado.htm. Acesso em: 25 set. 2021.

BRASIL. Decreto nº 8.793, de 29 de junho de 2016. Fixa Política Nacional de Inteligência.

Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 30 jun. 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ato2015-2018/2016/decreto/D8793.htm. Acesso em: 25 set. 2021.

BRASIL. Decreto n° 8.793/2016, de 15 de dezembro de 2017. Aprova a Estratégia Nacional de Inteligência. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 18 dez. 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/dsn/Dsn14503.htm. Acesso em: 25 set. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.883, de 07 de dezembro de 1999. Institui o Sistema Brasileiro de Inteligência, cria a Agência Brasileira de Inteligência - ABIN, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 08 dez. 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9883.htm. Acesso em: 25 set. 2021.

CAMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei n° 2.642, de agosto de 2021. Altera a legislação processual penal para aprimorar as garantias processuais e as prerrogativas da advocacia. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=2049306&filename=Tramitacao-PL+2642/2021. Acesso em: 25 set. 2021.

MASSALI, Fábio. Operação Greenfield: MPF denuncia 26 pessoas por fraudes contra planos. Agência Brasil, 07 set. 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2019-10/operacao-greenfield-mpf-denuncia-26-pessoas-por-fraudes-contra-planos. Acesso em: 30 ago. 2021.

NOVELLINO, Vicente Nicola. Análise da Lei n° 9.883/99 como marco jurídico da atividade de inteligência de estado no Brasil. Revista Brasileira de Inteligência, Brasília, 2020, n. 15, p. 115-128, dez. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/abin/pt-br/centrais-de-conteudo/revista-brasileira-de-inteligencia/22RBI15verso13072021.pdf. Acesso em: 25 set. 2021.

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL. Provimento n° 188, de 11 de dezembro de 2018. Regulamenta o exercício da prerrogativa profissional do advogado de realização de diligências investigatórias para instrução em procedimentos administrativos e judiciais. Diário Eletrônico da Ordem dos Advogados do Brasil: Ano 1, n° 1, Brasília, DF, 31 dez. 2018, p. 4. Disponível em: https://deoab.oab.org.br/pages/materia/19. Acesso em: 25 set. 2021.

PETRY, Guilherme. FBI deixa lista de supostos terroristas disponível na internet sem senha. The Hack, 18 set. 2021. Disponível em: https://thehack.com.br/fbi-deixa-lista-de-supostos-terroristas-disponivel-na-internet-sem-senha/. Acesso em: 25 set. 2021.

SOUZA, Waleska Medeiros de. Atividade de inteligência: limites e possibilidades das guardas municipais com o avanço das legislações. Revista Brasileira de Inteligência, Brasília, 2019, n. 14, p. 119-127, dez. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/abin/pt-br/centrais-de-conteudo/revista-brasileira-de-inteligencia/RBI14Edio.pdf. Acesso em: 25 set. 2021.

SALES, Lívia M. M; VALLE, Luiz Antonio P. A agenda legislativa da ABIN: Análise das proposições sobre atividade de inteligência de Estado no Congresso Nacional de 1997-2017. Revista Brasileira de Inteligência, Brasília, 2018, n. 13, p. 149-162, dez. 2018. Disponível em: https://www.gov.br/abin/pt-br/centrais-de-conteudo/revista-brasileira-de-inteligencia/copy_of_RBI13.pdf. Acesso em: 25 set. 2021.

Downloads

Publicado

2022-08-02

Como Citar

SANTANA, A. S.; OLIVEIRA, P. C. S. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A INTELIGÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO DEFENSIVA. UNIFUNEC CIENTÍFICA MULTIDISCIPLINAR, Santa Fé do Sul, São Paulo, v. 11, n. 13, p. 1–10, 2022. DOI: 10.24980/ucm.v11i13.5387. Disponível em: https://seer.unifunec.edu.br/index.php/rfc/article/view/5387. Acesso em: 6 out. 2022.