INDICADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SAÚDE DE UM HOSPITAL ESCOLA DE GRANDE PORTE

Autores

  • Rafael Guerra AQUINO Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul
  • Clinton Fábio Gomes SILVA Faculdade de Medicina de Rio Preto - FAMERP
  • Andréa Cristine SANCHES Universidade Camilo Castelo Branco - UNICASTELO

DOI:

https://doi.org/10.24980/rfcenf.v1i1.2176

Palavras-chave:

Resíduos de Serviços de Saúde, Gerenciamento de Resíduos, Gestão em enfermagem

Resumo

Este estudo, descritivo e exploratório de informações provenientes de consulta a banco de dados, teve como objetivo identificar indicadores de gestão para monitoramento e avaliação do PGRSS de um hospital escola. O acompanhamento de todo o processo de coleta, segregação e armazenamento dos resíduos produzidos no estabelecimento mostrou-se eficiente na identificação de falhas. Houve uma redução no número de atendimentos no período de realização do estudo e paralelamente aumento na taxa de geração de resíduos, indicador que se mostrou eficiente e refletiu as mudanças ocorridas no processo de transição para a condição de hospital escola. A reciclagem dos resíduos trouxe alguma renda para o estabelecimento mas reflete a necessidade de capacitação dos envolvidos por conta da baixa eficiência. O número de acidentes com perfurocortantes pode ser utilizado como um indicador do risco ocupacional e da eficiência da aplicação das normas de biossegurança.

Biografia do Autor

Clinton Fábio Gomes SILVA, Faculdade de Medicina de Rio Preto - FAMERP

Residente do Programa de Vigilância em Saúde, da Faculdade de Medicina de Rio Preto - FAMERP

Referências

BRASIL, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 306/04 – Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, DF. Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 358/05 – Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde de dá outras providências. Brasília, DF. Ministério do Meio Ambiente, 2005.

BRASIL; Casa Civil. Decreto 5.940 de 25 de outubro de 2006. Institui a separação dos resíduos recicláveis descartados pelos órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta, na fonte geradora, e a sua destinação às associações e cooperativas dos catadores de materiais recicláveis, e dá outras providências. Brasília, DF. Casa Civil, 2006.

BRASIL, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria Nº 344/98 - Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Brasília, DF. Ministério da Saúde, 1998.

CUSSIO, N. A. M, LANGE, L.C, FERREIRA. J. A. Taxa de Geração de Resíduos de Serviços de Saúde em um Hospital Pediátrico. In: 21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Belo Horizonte, MG. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambienta. 2000. 8 p.

DIAZ, L. F, EGGERTH, L. L, ENKHTSETSEG, S. H; SAVAGE, G. M. Characteristics of healthcare wastes, Waste Management. v. 28 n.7, p. 1219-1226. 2008.

FONSECA, E, NÓBREGA, C.C, OLIVEIRA, A.G. Produção e taxa de geração de resíduos sólidos de serviços de saúde de hospitais de João Pessoa – Paraíba. In: Anais 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Campo Grande, MS. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. p.1-8, 2005.

GUIMARíES, R. Nova tecnologia permite reciclagem de seringas. Agência Sebrae de Notícias. Brasília, 2008. Disponível em: <http://www.rts.org.br/noticias/destaque-2/nova-tecnologia-permite-reciclagem-de-seringas>. Acesso em: 08 de maio. 2011.

LEE, B. K, ELLENBECKER, M..J, ERSASO, R. M. Alternatives for treatment and disposal cost reduction of regulated medical wastes. Waste Management, v. 24 n.2, p. 143-151.2004.

MAGALHíES, S.T. R, MELO, C. R, GIACOMIN, R. Implementação da reciclagem em uma instituição hospitalar privada. Centro Universitário de Patos de Minas. Perquirere, v. 9 n. 2, p. 70-83, dez. 2012.

MAZZER, C.; CAVALCANTI, O. A. Introdução à Gestão Ambiental de Resíduos. Infarma. Paraná, v. 16, n. 1 e 12, p. 66 – 77. 2004.

MELO, M. S. Estudo sobre resíduos de serviço de saúde no hospital universitário de Brasília/DF [dissertação]. Universidade de Brasília/UN, Brasília, 2007. 106 p.

NAIME, R; RAMALHO, A. H. P; NAIMA, I. S. Avaliação do sistema de gestão dos resíduos sólidos do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Revista Espaço para a Saúde. Londrina. v. 9, n. 1, dez/2008.

NISHIDE, V. M, BENATTI, M. C. C, ALEXANDRE, N. M. C. Ocorrência de acidente do trabalho em uma unidade de terapia intensiva. Revista Latino-americana de Enfermagem. v.12 p. 204-211. 2004

ORGANIZAÇíO MUNDIAL DE SAUDE. ORGANIZAÇíO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Guia para o manejo interno de resíduos sólidos em estabelecimento de saúde. OMS, 1997.

PEREIRA, S. L, GOMES, M. V. C. N. Avaliação da gestão dos resíduos de serviços de saúde em hospitais no município de Belém PA. In: Anais 24º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Belo Horizonte, MG. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. p.1-11. 2007.

SOARES, S. R, CASTILHOS JÚNIOR, A. B, MACEDO, M. C. Diagnóstico da produção de resíduos de serviços da saúde estudo de caso: Hospital Universitário Florianópolis – SC. In: Anais 19º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Foz do Iguaçu, PR. 1997.Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, p. 1783-178

TUDOR, T. L. Towards the development of a standardized measurement unit for healthcare waste generation, Resources Conservation and Recycling, v. 50 n. 3, p. 319-333. 2007.

VIEIRA, D. K, DETONI, D. J, BRAUM, L. M. S. Indicadores de Qualidade em uma Unidade Hospitalar. In Simpósio de Excelência em Gestão e tecnologia, 2006, Resende. Anais do III SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Resende, Rio de Janeiro. 2006.

Downloads

Publicado

2017-03-24

Como Citar

AQUINO, R. G., SILVA, C. F. G., & SANCHES, A. C. (2017). INDICADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SAÚDE DE UM HOSPITAL ESCOLA DE GRANDE PORTE. UNIFUNEC CIÊNCIAS DA SAÚDE E BIOLÓGICAS, 1(1), 72–86. https://doi.org/10.24980/rfcenf.v1i1.2176